Patrimoniar #14. Jerá Guarani: Terra indígena Tenondé Porã

Patrimoniar #14. Jerá Guarani: Terra indígena Tenondé Porã

O território ocupado atualmente pelos municípios da Região Metropolitana de São Paulo apresenta registros de ocupação muito anteriores à presença dos colonizadores europeus. Para além do mito conciliatório relacionado à fundação da vila de São Paulo, pelo qual teria havido mútua colaboração entre povos indígenas e jesuítas, trata-se de um processo tenso marcado por violências e agressões aos povos originários. Apesar de tudo, ainda se verifica a presença e resistência desses povos em duas terras indígenas oficialmente demarcadas, uma na região noroeste e outra na região sul da capital. Esta última — a Terra Indígena Tenondé Porã — é assunto desta edição do Patrimoniar, na qual conversamos com Jerá Guarani, educadora e ativista indígena do povo guarani mbyá.

Continue reading “Patrimoniar #14. Jerá Guarani: Terra indígena Tenondé Porã”

Patrimoniar #13. Lilian Miranda Bezerra e José Hermes Martins Pereira: O mundo dos arquivos

Patrimoniar #13. Lilian Miranda Bezerra e José Hermes Martins Pereira: O mundo dos arquivos

O mundo dos acervos costuma ser dividido em três esferas: o dos acervos bibliográficos, o dos acervos museológicos e os acervos arquivísticos. Entre bibliotecas, museus e arquivos, estes últimos costumam soar aos não iniciados como entidades um tanto herméticas ou insossas: meros repositórios de documentos velhos sem maiores atrativos. Arquivos, contudo, são fundamentais para articular a memória de coletivos e instituições e preservar o conjunto de documentos produzidos ao longo de suas atividades e trajetórias.

Para discutir o mundo dos arquivos — e em particular o universo dos arquivos na Universidade de São Paulo — conversamos nesta edição do Patrimoniar com Lilian Miranda Bezerra e com José Hermes Martins Pereira, historiadores e profissionais atuantes no Arquivo Geral da USP. Ao longo da conversa discutimos o que caracteriza um arquivo, o que um arquivo deve e o que não deve ser, o caráter dos documentos presentes nos arquivos e como lidar com eles, bem como os desafios para sua preservação.

Continue reading “Patrimoniar #13. Lilian Miranda Bezerra e José Hermes Martins Pereira: O mundo dos arquivos”

Chamada de trabalhos para o III Seminário Patrimônio cultural universitário

Chamada de trabalhos. III Seminário Patrimônio Cultural Universitário

Uma miríade de manifestações culturais caracteriza o dia-a-dia da vida universitária: estudantes, docentes, profissionais das universidades e demais frequentadores e entusiastas dos campi universitários constituem grupos sociais detentores de inúmeros bens culturais específicos da experiência universitária. De tradições e práticas de aulas e de laboratórios aos rituais ligados às manifestações esportivas, políticas e artísticas promovidas por tais sujeitos; de saberes cotidianos compartilhados por estudantes em suas táticas de enfrentamento dos desafios do dia-a-dia de aulas e pesquisas aos sóbrios e formais ritos de provimento de títulos acadêmicos; de lugares marcados pela memória de festas e pelo acúmulo de afetos cotidianos aos instrumentos, acervos e edificações próprios da cultura e da prática científica: o patrimônio cultural universitário é heterogêneo, complexo e associado a diferentes indivíduos e grupos constituintes da comunidade acadêmica.

Continue reading “Chamada de trabalhos para o III Seminário Patrimônio cultural universitário”

Patrimoniar #12. Mestre Rabi Batukeiro e o Bloco ÉdiSanto

Assistimos em tempos recentes à ação de uma série de coletivos culturais atuantes nas periferias urbanas que trabalham dimensões de ancestralidade, identidade e memória, articulando questões raça, gênero e classe e promovendo a salvaguarda de expressões culturais de grupos sistematicamente silenciados. Tratam-se de indivíduos e grupos atuantes na promoção e transmissão dessas manifestações culturais para futuras gerações, muitas vezes sem o devido reconhecimento ou apoio por parte das instâncias oficiais de patrimônio e cultura.

Um caso particular é o do Bloco Afro ÉdiSanto, que atua na região de M´Boi Mirim desde 2010. Surgido como projeto de música percussionista com o objetivo de mesclar ritmos ligados ao culto aos orixás com expressões musicais contemporâneas, o bloco pauta questões ligadas às culturas de matriz africana, às ancestralidades e à vida na periferia de São Paulo. Desde sua fundação o bloco se expandiu, abarcando hoje também questões de gênero, por exemplo, com o projeto Macumbarias Femininas, e saindo todos os anos para desfilar pela região de M´Boi Mirim durante o carnaval. O trabalho do bloco é contínuo, participando ainda da articulação de redes nacionais voltadas à ancestralidade e à cultura e música afro.

Continue reading “Patrimoniar #12. Mestre Rabi Batukeiro e o Bloco ÉdiSanto”

Conversas com pesquisadores: lançamento das publicações dos Roteiros do Patrimônio da USP

Lançamento:

Roteiros do Patrimônio da USP
Publicações

Nos dias 3 de abril e 8 de maio de 2024 ocorrerá o lançamento das publicações do projeto Roteiros do patrimônio da USP, iniciativa do CPC de extroversão e valorização dos bens culturais da Universidade de São Paulo. Os livretos apresentam uma sugestão de itinerário patrimonial em três diferentes territórios nos quais se localizam edifícios, monumentos, lugares e outras referências culturais significativas para a identidade e memória da universidade: o Centro de São Paulo, a Cidade Universitária Armando Salles de Oliveira e o campus da USP em São Carlos.

O lançamento será acompanhado de duas Conversas com pesquisadores nas quais vamos discutir questões ligadas à relação do patrimônio cultural com o turismo social, com as universidades, com itinerários patrimoniais e com as cidades.

Continue reading “Conversas com pesquisadores: lançamento das publicações dos Roteiros do Patrimônio da USP”

Grupo de estudos e leituras do patrimônio cultural no CPC

Em 2024 o Centro de Preservação Cultural inaugura um grupo de estudos do patrimônio cultural voltado a todas as pessoas interessadas em aprender, refletir e discutir sobre o tema a partir da leitura e debate tanto de textos clássicos do campo como aqueles ligados a questões emergentes. A coordenação dos trabalhos ficará a cargo da equipe do CPC e a participação é livre, desde que as pessoas interessadas manifestem compromisso em comparecer a todos os encontros e a ler todos os textos sugeridos. O grupo se organizará em torno de um calendário de leituras e debates mensais construído a partir de sugestões promovidas pelo coordenador e pelos interesses manifestados pelos participantes.

Continue reading “Grupo de estudos e leituras do patrimônio cultural no CPC”

Patrimoniar #11. Adriana Capretz: Memória, silenciamento e crime ambiental em Maceió

Patrimoniar #11. Adriana Capretz: Memória, silenciamento e crime ambiental em Maceió

A cidade de Maceió, em Alagoas, tem vivido nos últimos anos os efeitos violentos e assustadores decorrentes da mineração predatória em seu território. A extração sistemática de sal-gema por parte da empresa Braskem ao longo de décadas em camadas profundas do solo provocou abalo das camadas superficiais, inviabilizando a vida em bairros inteiros e levando à condenação de construções e estruturas diversas presentes nestes locais. A necessidade de evacuar tal região levou a uma diáspora forçada de parcelas significativas da população de Maceió, redundando na perda de laços de sociabilidade, de vínculos afetivos, de práticas culturais e de manifestações e referências culturais enraizadas neste território. Para além das perdas materiais, trata-se de um violento processo de apagamento de memórias, vivências e práticas culturais cotidianas. Em reação ao duro golpe promovido na vida de milhares de pessoas, repentinamente obrigadas a deixar suas casas e seus cotidianos, diversas iniciativas de memória e de denúncia do crime ambiental vêm sendo promovidas por coletivos e indivíduos diversos.

Para discutir estas questões, nesta edição do Patrimoniar em dezembro de 2023 conversamos com a pesquisadora Adriana Capretz Borges da Silva Manhas, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Ao longo do programa retomamos o histórico do desastre ambiental promovido na cidade, seus efeitos materiais e os processos de silenciamento e apagamento de referências culturais e de memória existentes naquela região.

OUÇA AQUI

Continue reading “Patrimoniar #11. Adriana Capretz: Memória, silenciamento e crime ambiental em Maceió”

2º Seminário Bixiga: Território cultural

2º seminário Bixiga: Território cultural

O bairro paulistano conhecido como “Bexiga”, localizado no distrito da Bela Vista, no Centro de São Paulo, é tradicionalmente apontado como palco de múltiplas manifestações culturais e lugar de vida de pessoas das mais variadas origens. Território usualmente tido como boêmio e associado ao samba, ao teatro, à gastronomia e à presença de povos de muitas origens (italianos, negros, nordestinos, entre outros), o Bexiga pode passar, à primeira vista, a impressão de se constituir de um território cosmopolita desprovido de conflitos, contradições e violências, ainda que reconhecido como heterogêneo e multifacetado.

Continue reading “2º Seminário Bixiga: Território cultural”

Patrimoniar #10. Abílio Ferreira: a Capela dos Aflitos, a Liberdade e a memória negra em São Paulo

Patrimoniar #09. Abílio Ferreira: a Capela dos Aflitos, a Liberdade e a memória negra em São Paulo

Em cidades como São Paulo são muitos os casos de espaços que passaram por transformações expressivas ao longo do processo de desenvolvimento urbano. Antigas praças e largos desaparecem, edifícios são demolidos e substituídos por outros e marcos da paisagem se transformam em referências perdidas na memória quem ali viveu. Muitos desses casos de demolição e reconstrução de espaços e lugares estão associados a processos de apagamento e silenciamento das referências culturais e urbanas de grupos sociais minoritários ou tidos como indesejáveis. Apesar destes apagamentos, certos sinais permanecem silenciosos no tecido urbano.

Nesta edição do Patrimoniar conversamos com Abílio Ferreira — jornalista, escritor, pesquisador e ativista do movimento negro — a respeito desses processos de silenciamento, dos sinais que permanecem e de como é possível lidar com o espaço urbano na perspectiva de um jogo em busca destes sinais — um jogo que articula resistência e apropriação da cidade. Conversamos especialmente sobre acontecimentos recentes ligados à memória e ao patrimônio cultural no bairro da Liberdade e sobre o caso da Capela dos Aflitos, localizada nesta região.

Continue reading “Patrimoniar #10. Abílio Ferreira: a Capela dos Aflitos, a Liberdade e a memória negra em São Paulo”

Patrimoniar #09. Fernanda Vargas: o Bexiga nordestino

Patrimoniar #09. Fernanda Vargas: o Bexiga nordestino

Embora o bairro do Bexiga seja tradicionalmente apontado como uma região multicultural e plural, a associação entre a região e sua memória italiana costuma se destacar em relação às suas demais representações. Embora trate-se de fato de um importante território da imigração italiana em São Paulo, o Bexiga está longe de se caracterizar apenas como um “bairro italiano”: foi nesta região, lembremos, que se desenvolveu um importante quilombo urbano em São Paulo, tornando-a também importante território negro da cidade.

Outros grupos, contudo, também ocupam o bairro, desenvolvem nele suas manifestações culturais e lhe dão vida — ainda que suas presenças sejam alvo de processos de apagamento ou marginalização por parte das demais representações do bairro. Nesta edição do Patrimoninar nós conversamos com Fernanda Vargas a respeito do Bexiga nordestino. Fernanda é cineasta e gestora cultural e é autora de dissertação de mestrado sobre a presença nordestina no Bexiga e co-diretora, junto de Daniel Fagundes, do documentário Oxente, Bixiga!, a respeito do mesmo tema.

Continue reading “Patrimoniar #09. Fernanda Vargas: o Bexiga nordestino”