Centro de preservação cultural
casa de dona yayá

O Centro de Preservação Cultural da USP colabora no reconhecimento, preservação, salvaguarda e difusão dos bens culturais da Universidade de São Paulo — uma rica variedade de edifícios, monumentos, lugares, acervos, coleções e referências culturais.

Acompanhe nossa programação (cursos, oficinas, seminários, exposições, entre outras atividades) e conheça o patrimônio cultural da USP.

A Casa de Dona Yayá

Desde 2004 o CPC tem sua sede na Casa de Dona Yayá, imóvel reconhecido como patrimônio cultural em níveis municipal e estadual e lugar de memória das questões de gênero e saúde mental em São Paulo. No local viveu reclusa por cerca de quatro décadas a senhora Sebastiana Mello Freire, carinhosamente chamada pelos amigos e familiares como “Dona Yayá”. Tendo sido precocemente diagnosticada pela medicina de sua época como portadora de transtornos mentais, Dona Yayá foi interditada e alojada pelos seus curadores no imóvel que hoje leva seu nome. O CPC procura manter viva sua memória e trajetória por meio da preservação e uso qualificado do imóvel.

Patrimônio cultural na Universidade de São Paulo

Fundada em 1934, a Universidade de São Paulo vem ao longo de seus mais de 80 anos reunindo um enorme patrimônio cultural, expresso em bens de natureza material e imaterial. Tais bens são portadores de referência à memória, identidade e ação dos vários grupos que compõem o cotidiano universitário: estudantes, servidores docentes e técnico-administrativos, frequentadores e entusiastas. Seus sítios, edifícios e monumentos documentam a trajetória da universidade e se constituem de lugares relevantes para práticas culturais diversas. Seus acervos reúnem objetos nos mais variados suportes e recortes temáticos: obras de arte, peças de pesquisa científica, documentos de arquivo, entre outros. Suas referências culturais se manifestam em práticas e rituais próprios da vida acadêmica: festas, atividades políticas e culturais, tradições acadêmicas. É missão do CPC colaborar no reconhecimento, proteção e valorização desse enorme conjunto de bens culturais.

Programação

Técnicas de uso de história oral para iniciativas coletivas de valorização da memória

  O curso pretende fornecer aos participantes ferramentas para que iniciem a constituição de acervos públicos de história oral e memória, a partir de técnicas de produção, armazenamento e divulgação de acervos, proporcionando um contato com as principais técnicas de história oral e preparando-os para usar a oralidade na constituição de acervos de memória. Ao …

100 anos de Yayá no Bixiga: Conjuntura pós-Primeira Guerra

No ano de 1920, quando Yayá se muda para a casa da Rua Major Diogo, completavam-se dois anos do fim da Primeira Guerra Mundial. O conflito possui reflexos diretos no Brasil, que vão de intervenção direta do país colocando-se contra a Alemanha, à tentativa de acelerar o processo de industrialização para suprir as demandas internas. Além disso, …